Blog

Acompanhe nossas novidades e dicas de saúde.

Hiperparatireoidismo: os três tipos da doença

fev 22, 2021 | Uncategorized

Para falar sobre o Hiperparatireoidismo, temos que entender o que são as glândulas paratireoides.

As glândulas paratireoides são 4 glândulas localizadas na região do pescoço. Elas ficam atrás de outra glândula, a tireoide. 

As paratireoides são responsáveis pelo metabolismo do cálcio e atuam através da produção e liberação de um hormônio chamado paratormônio (PTH).

O bom funcionamento das glândulas paratireoides é fundamental para a saúde dos nossos ossos. Já o hiperparatireoidismo é uma condição de saúde que pode acarretar em enfraquecimento, lesões e fraturas ósseas.

Abaixo, vamos entender o porquê e as três formas de manifestação dessa doença.  

Como as glândulas paratireoides funcionam?

Quando os níveis de cálcio estão reduzidos em nosso sangue, as glândulas paratireoides liberam mais hormônio PTH, para tentar regular essa deficiência. O PTH provoca o aumento do número e da atividade dos osteoclastos, as células responsáveis pela reabsorção óssea. 

Desta forma, os níveis de cálcio no sangue voltam a subir. No rim, o PTH aumenta a absorção do cálcio e aumenta a excreção renal de fósforo.

Em resumo: as glândulas paratireoides controlam os níveis de cálcio em nosso organismo. Se houver uma desregulação das glândulas paratireoides, vamos ter problemas nos ossos. Redução da massa óssea e osteoporose são comuns nesses casos.

Tipos de Hiperparatireoidismo

Existem três tipos: primário, secundário e terciário. Cada um deles possui características e tratamentos próprios.

Hiperparatireoidismo Primário

Ocorre quando uma ou mais glândulas paratireoides começa a produzir o hormônio PTH de forma autônoma. E isso acontece independentemente dos níveis de cálcio no sangue. Assim, os níveis de PTH e cálcio aumentam. 

No entanto, é preciso lembrar que, nesses casos, o cálcio em excesso no sangue foi removido dos ossos. E isso pode levar à osteoporose, por exemplo. 

O paciente com hiperparatireoidismo primário também pode sofrer com: cálculos nos rins, calcificação dos rins e redução da função renal.

Na maioria das vezes, o tratamento do hiperparatireoidismo primário é cirúrgico, com a retirada da glândula paratireoide hiperfuncionante.

Hiperparatireoidismo Secundário 

Ocorre quando as glândulas paratireoides notam uma redução no cálcio sanguíneo e aumentam a produção do PTH para normalizar o quadro. No entanto, nesses casos, o que verificamos é o PTH aumentado e níveis de cálcio normais. 

Assim, no hiperparatireoidismo secundário, o problema não está nas glândulas paratireoides. Elas só estão trabalhando e fazendo o seu papel. 

Dessa forma, no hiperparatireoidismo secundário, algumas causas secundárias precisam ser investigadas, como:

  • Insuficiência renal.
  • Deficiência de vitamina D.
  • Excreção aumentada de cálcio na urina.
  • Deficiência de magnésio.

O tratamento do hiperparatireoidismo secundário não é cirúrgico. Em vez disso, ele envolve o diagnóstico da causa secundária da doença e o seu tratamento.

Hiperparatireoidismo Terciário 

O hiperparatireoidismo terciário ocorre em pacientes com hiperparatireoidismo secundário de longa duração. Podemos citar como exemplo os pacientes com insuficiência renal e que fazem diálise por muitos anos. 

No hiperparatireoidismo terciário as paratireoides estimuladas cronicamente começam a produzir sozinhas o PTH, independente dos níveis de cálcio. Dessa forma, o PTH está alto no sangue e o cálcio também.

O tratamento cirúrgico das glândulas paratireoides também é necessário na maioria dos casos de hiperparatireoidismo terciário.

Cuide da sua saúde! Consulte o Médico Endocrinologista e faça o seu tratamento para o hiperparatireoidismo com Médicos Cirurgiões de Cabeça e Pescoço experientes. Os profissionais do NICAP podem ajudar. Conte conosco!

Sobre a autora

Dra. Júlia Oberger (CRM-SC 21044 / RQE 17298).

Médica endocrinologista e Metabologista pelo SEMPR/HC-UFPR

Mestre em Medicina Interna pela UFPR – Osteoporose. 

Professora do Curso de Medicina da UNIFEBE.