Cirurgias das Parótidas

As parótidas são as maiores glândulas salivares do corpo e localizam-se próximas à região das orelhas. Cerca de 80% dos tumores que surgem nessas estruturas são benignos. Contudo, estes tumores benignos podem se transformar em tumores malignos. Nesses casos, as cirurgias das parótidas, conhecidas como parotidectomia tradicional e parotidectomia minimamente invasiva, são essenciais para o tratamento.

Parotidectomia Tradicional

A Parotidectomia Tradicional é realizada através de uma incisão que se estende da orelha até o pescoço, possibilitando a localização da origem do nervo facial na base do crânio. É realizada então a remoção do tumor com segurança, buscando preservar todos os ramos do nervo facial. O procedimento é realizado com anestesia geral.

 

Indicação da Parotidectomia

A Parotidectomia Tradicional é indicada especialmente para casos de tumores volumosos, malignos e na parte profunda da parótida.

Pré e Pós-operatório

Antes de realizar a Parotidectomia, o paciente deve realizar todas as consultas e exames solicitados pela equipe médica e obedecer as seguintes orientações básicas:

  • Não tomar AAS ou outro anticoagulante uma semana antes da cirurgia.
  • Jejum de pelo menos 8 horas.

O pós-operatório das cirurgias das parótidas costuma ser bastante seguro e tranquilo. No entanto, os pacientes podem apresentar sintomas como náuseas, vômito e dor.

O tempo médio de internação no caso da Parotidectomia Tradicional é de apenas 1 dia. O retorno ao consultório para reavaliação pós-operatória ocorre de 7 a 15 dias. Os pontos e o curativo são retirados nesta consulta.

A principal restrição no pós-operatório é quanto ao esforço físico. Deve-se evitar esforços físicos intensos por, pelo menos, 3 semanas, a depender de avaliação médica.

Por se tratar de uma glândula salivar, ocasionalmente, um pequeno orifício (fístula) pode surgir na cicatriz e provocar o escorrimento de pequenas quantidades de líquidos. Isso tende a se resolver (fechar) espontaneamente por algumas semanas ou meses.

O aspecto final da cicatriz deixada pelas cirurgias das parótidas geralmente é muito bom. Geralmente, as cicatrizes seguem as pregas cutâneas naturais e variam entre 05 a 15 cm. A exposição solar deve ser evitada diretamente sobre a cicatriz por um período de 6 a 12 meses após a cirurgia.

Parotidectomia Minimamente Invasiva

A Parotidectomia Minimamente Invasiva é realizada com o auxílio de um monitor de nervos. Assim, não é necessário localizar a origem do nervo facial na base do crânio, tão pouco manipulá-lo. Com essa técnica, o tumor da glândula parótida é retirado preservando os ramos do nervo facial próximos à lesão, com alta precisão.

A cirurgia é realizada em menor tempo, mantendo a segurança da técnica convencional. Como requer menor incisão, sua cicatriz é menor.

Indicação da Parotidectomia Minimamente Invasiva:

A parotidectomia minimamente invasiva é indicada para a retirada de tumores benígnos e superficiais das glândulas parótidas.

Pré e Pós-Operatório

No pré-operatório da Parotidectomia Minimamente Invasiva, os pacientes devem realizar todas as consultas e exames solicitados pelos médicos e tomar os seguintes cuidados:

  • Não tomar AAS ou outro anticoagulante uma semana antes da cirurgia;
  • Jejum de pelo menos 8 horas. 

Mais rápida e com menor incisão, a cirurgia minimamente invasiva para retirada de tumores nas parótidas requer menor tempo de internação e oferece uma recuperação mais rápida aos pacientes. Em geral, os pacientes retomam suas atividades normais em 2 semanas. 

Nesse período, é preciso tomar cuidado com o curativo realizado, que não deve ser molhado. Após a sua retirada, o paciente deve evitar expor a sua cicatriz ao sol de acordo com determinação médica. Os esforços físicos intensos devem ser evitados por, pelo menos, 3 semanas, de acordo com a avaliação médica.

No procedimento minimamente invasivo, as chances de paralisia facial são muito menores. No entanto, pode haver acúmulo de secreção. Caso isso ocorra, a punção no consultório poderá ser realizada. Em caso de dor, podem ser prescritos medicamentos analgésicos específicos para cada paciente.

Conheça a equipe NICAP

Dr. Acklei Viana

CRM/SC 11656 e RQE 11538

Saiba Mais

Dr. Jalmir Rogério Aust

CRM/SC 7126 e RQE 7630

Saiba Mais

Dr. Rafael Nunes Goulart

CRM/SC 15664 e RQE 12369

Saiba Mais